Paliber

  • Aumentar tamanho da fonte
  • Tamanho da fonte padrão
  • Diminuir tamanho da fonte
Home
Credenciamento

Termina em Katowice na Polônia a COP24,

Conferência das Partes da Convenção 

do Clima das Nações Unidas.


Terminou neste domingo 15 de dezembro em Katowice na Polonia a COP24, Conferência das Partes da Convenção do Clima das Nações Unidas. Os representantes de mais de 150 países que se reuniram na Polônia, decidiram executar uma série de regras que permitem a implementação do Acordo de Paris.

A partir de 2020, com a adoção do “Livro das Regras” os países signatárias deverão trabalhar juntos para enfrentar de maneira objetiva o aquecimento global sob o Acordo de Paris. Pelas medidas aprovadas, todos os países, incluindo os países em desenvolvimento, devem detalhar os esforços para reduzir as emissões de gases de efeito estufa. Acredita-se que este relatório deva ser apresentado até o final de 2024.

A cada dois anos, os países apresentarão um relatório detalhando suas ações climáticas, que será avaliado por especialistas, mas sem a possibilidade de se aplicar sanções. Ainda uma outra determinação relata que os países industrializados informem às Nações Unidas a ajuda financeira que planejam fornecer aos países em desenvolvimento. 

A próxima Conferência das Partes da Convenção do Clima das Nações Unidas, a COP25, será realizada no  Chile no período de 11 a 22 de novembro de 2019. Inicialmente, a conferência estava prevista para ocorrer no Brasil. Mas o governo brasileiro abriu mão da organização do evento por "restrições orçamentárias".

Foto Divulgação.

 

O mundo se volta para a COP 24, 

Conferência das Nações Unidas sobre 

o clima, de 3 a 14 de dezembro em

Katowice, Polônia


A COP24 - 24ª  Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança Climática começa nesta segunda 3 e vai até 14 de dezembro de 2018 em Katowice, na Polônia. O evento terá a participação de quase 30 mil delegados de todo o mundo, incluindo chefes de governos e ministros responsáveis por questões ambientais e climáticas.

O plano para a cúpula da COP24 é adotar um pacote completo de implementação do Acordo de Paris. O acordo é o primeiro acordo internacional na história, que obriga todos os países do mundo a tomar medidas sobre a proteção do clima. O pacote permitirá os avanços  do acordo na prática, estabelecendo a política climática e energética global para os próximos anos.

Espera-se que a conferência finalize as regras para a formalização do Acordo de Paris sobre as alterações climáticas no âmbito do programa de trabalho da COP21. Também incluirá vários eventos de alto nível, eventos obrigatórios, eventos de ação e mesas redondas.

O Acordo de Paris, firmado em dezembro de 2015, na COP21 estabelece mecanismos para que os países signatários limitem as emissões de poluentes para conter o aumento da temperatura global em menos de 2º C. Um dos compromissos do Brasil é cortar 37% das emissões de gases de efeito estufa até 2025, com indicativo de atingir o percentual de 43% até 2030.

Uma das tarefas mais importantes da COP-24 será elaborar e adotar um pacote de decisões que garanta a plena implementação do Acordo de Paris, de acordo com as decisões adotadas em Paris (COP-21) e em Marrakesh (COP-22). Além disso, a COP-24 incluirá o chamado Diálogo Facilitador, destinado a apoiar a formatação de compromissos nacionais.

O ministro do Meio Ambiente da Polônia Henryk Kowalczyk  e Patricia Espinosa, Secretária Executiva da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima, assinaram um acordo definindo as obrigações de ambas as partes resultantes da organização da Cúpula Climática em dezembro. Este Acordo contém as obrigações do país anfitrião e estabelece a base legal para a organização do evento.

A assinatura do acordo resume o processo de negociação deste documento e serve como elemento formal final dos preparativos organizacionais para um importante evento internacional  a Cúpula Climática COP24, disse o ministro Henryk Kowalczyk.

Foto divulgação: Patricia Espinosa, Secretária Executiva da COP24 e o Ministro do Meio Ambiente da Polônia Henryk Kowalczyk

 

Theresa May anunciou que o Reino Unido

comprometerá 160 milhões de libras 

para fornecer energia limpa aos 

países em desenvolvimento.

A primeira-ministra Britânica Theresa May anunciou ontem na Assembleia Geral da ONU em Nova York que o Reino Unido fornecerá 160 milhões de libras de financiamento para sistemas energéticos mais limpos em países em desenvolvimento.

Na Assembleia Geral, a primeira-ministra decidiu fornecer 60 milhões de libras esterlinas para compartilhar o conhecimento técnico do Reino Unido sobre energia limpa.
O governo do Reino Unido comprometeu-se a compartilhar seus conhecimentos e ajudar os países em desenvolvimento a enfrentar o problema global da mudança climática.

Claire Perry, Ministra de Energia e Crescimento Limpo, disse: Este programa de 60 milhões de libras poderia fornecer o impulso que eles precisam para iniciar seus próprios movimentos de crescimento limpo, construindo economias adequadas para o futuro.

A primeira-ministra também prometeu £ 94,5 milhões de libras para se concentrar nos efeitos da mudança climática, como fornecer apoio às famílias mais afetadas pelas secas no norte do Quênia.

Por fim, 15 milhões de libras iriam para tornar mais lucrativos para as empresas comprarem dos pequenos agricultores na África Subsaariana, ajudando a construir resiliência contra a crescente demanda por alimentos causados pelas mudanças climáticas.

O Reino Unido também se unirá à Carbon Neutrality Coalition (Coalizão de Neutralidade de Carbono) para apoiar ações ambiciosas de apoio aos objetivos coletivos do Acordo de Paris de zero de emissões globais.

Penny Mordaunt, Secretária de Desenvolvimento Internacional, disse: Quando a seca atinge os países em desenvolvimento, são as comunidades mais vulneráveis as mais afetadas pelos danos causados ao gado e às colheitas. Eu testemunhei no começo do ano no norte do Quênia como o apoio rápido da ajuda do Reino Unido e de nossos parceiros ajudaram as famílias, que de outra forma correriam o risco de mergulhar mais fundo na pobreza.

Esta notícia segue o Banco Mundial anunciando um investimento de US $ 1 bilhão em armazenamento de bateria para energia renovável em países em desenvolvimento.

Crédito da foto acima: Nações Unidas.

 


Página 2 de 18

Folder de apresentação do XVII Greenmeeting

Revista Sustentabilidade É O FOCO

Apoiadores